sexta-feira, 20 de fevereiro de 2009

A Umbanda em debate

"É provável que todos já tenham ouvido a expressão: "O Brasil é um grande caldeirão". Talvez não tenhamos o mesmo requinte da culinária francesa, bastante tradicional, nem da japonesa, adaptada às suas condições regionais, mas no nosso "caldeirão" cabe uma grande feijoada, onde diversos elementos se misturam, ganhando um sabor especial - a digestão (entenda-se compreensão) desse prato pode ser um pouco pesada às vezes, mas certamente é apaixonante e paradoxalmente original ao mesmo tempo em que é universalista. No Brasil as coisas misturam-se tanto, que é possível estudar a culinária, a formação étnica e cultural, ao mesmo tempo em que se tenta entender a sua religiosidade."
Amigo leitor deste blog, como diz uma querida amiga Madá, beiçei a introdução de um texto de outro amigo e colaborador deste Blog Douglas Fersan para iniciar aqui o diálogo sobre as vertentes dentro da Umbanda, tudo por que, estamos criando vários conceitos e estudos em torno das religiões Afro-brasileiras, o texto do Douglas já seria o bastante se aprofundado dentro da Umbanda e na ferida exposta.
É muito provável que discordemos das diversas teorias, e práticas que muitas vezes são incorporadas na Umbanda, imolação, elementais, Orixás, Magia entre tantas outras coisas já trazidas para dentro da religião, até mesmo o Esoterismo.
Mas qual é a verdade? Podemos afirmar que a Umbanda Esotérica, Traçada de Nação, Tradicional, Omolocô, dentre tantas definições estão erradas ou certas?
Quem vai atirar a primeira pedra? Você, eu ou tantos outros pelas comunidades do Orkut, e debatedores da religião. Afirmar o certo ou errado é trazer a luz do absolutismo sem perceber que a religião é flexível, no caso das Afro-brasileira, ela esta sempre agregando conhecimento e embutido em seus rituais aquilo que tem de bom para ajudar o seu próximo.
Umbandistas definirem-se como espíritas, trata-se de um erro conceitual?
A própria Umbanda procura sua identidade, os defensores de Zélio de Moraes irão dizer que ela é pura com seu advento, outros, que a Umbanda iniciou com a chegada dos escravos, outros com o sincretismo. Mas ninguém afirma que trabalha dentro de uma casa promovendo a sua missão, que é ajudar ao próximo com o dom que lhe foi dado. Teorizar sobre a religião é fácil? Não e afirmo que tentar passar uma mensagem clara é um desafio constante entre dirigentes e pessoas ligadas a religião.
Quando pensei em escrever este texto pensei claramente no impacto de desgaste que assumiria para mim, pois bem chego à conclusão da importância da religião em minha vida e como tenho contribuído com minhas atitudes, e vejo vários militantes fazendo o mesmo cada um à sua forma.
Quando nós Umbandistas, tivermos claro que a religião se transforma, mas não perde sua essência, saberemos entender cada linha ou vertente nela existente, quando derrubarmos a soberba, e olhar com bons olhos o que seu irmão faz para o próximo estaremos avançando e quebrando pré-conceitos entre nós mesmos.

"A arte da magia se faz presente em todas as civilizações conhecidas, desde as mesopotâmicas até as ameríndias, cada qual adaptando rituais e métodos de acordo com sua crença e cultura. Assim, a magia tem atravessado séculos, resistindo a perseguições e tentativas de minimizá-la ou então de classificá-la, de forma preconceituosa, como crendice popular. " Este outro trecho beiçado do meu amigo Douglas, serve para ilustrar que a Magia da Umbanda está em juntar no mesmo caldeirão: Brancos, Negros, Índios, Pobres, Ricos, Doentes, Gays, Ladrões, Prostitutas, alias todas as camadas da sociedade excluídas ou não.

Isso acontece na Igreja Católica, Protestante, Judaísmo, e nas religiões Afro-brasileiras não é diferente, não praticamos a conversão mas temos claro o conceito de certo e errado para questões sociais. Agora, e para a Umbanda, temos claro que ela pode se dividir e multiplicar?

Esta é minha contribuição para formatação de um debate mais amplo, e profundo, tenho convicções e acredito na minha religião, agora apontar o dedo para o meu próximo por que ele segue Zélio e eu faço imolação jamais farei, sabendo que ele prestará um auxilio ao próximo para mim é suficiente, agora pergunto e finalizo este texto assim: Você é capaz de se despir de vaidades para entender melhor a religião?

Axé irmãos......


Fontes: TEXTOS DE DOUGLAS FERSAN

COMUNIDADES DO ORKUT: Canto do Orixá, Amigos Umbanda e Espiritismo e Oxalá o Rei da Umbanda.

7 comentários:

André Mendes disse...

Qualquer maneira de tentar rotular a umbanda é burrice. quem não reconhece e não respeita as diferenças que existem na umbanda é porque tá na religião errada e não entendeu nada da própria religião. Gostei muito do texto.

Mauricio Junkeira disse...

Eu sou um frequentador frequente desse blog e sempre que posso copio os textos que são colocados aqui para ler com mais calma depois. e essa reflexao feita pelo irmão Jordam é de muita importância, pois dentro da umbanda tem gente que não respeita a opinião do seu irmão de fé. De que adianta vestir branco, frequentar terreiro, bater no peito dizendo que é umbandista se não compreende nem mesmo as diferenças que existem entre o seu terreiro e o do seu vizinho. Tem gente que diz que é umbandista e não sabe nem o que é umbanda.

marcos disse...

Olh eu só tenho uma coisa pra dizer.
Voces tão perdendo tempo.
E nós estamos perdendo informação.
O pessoal desse blog e do blog do jordam já pensaram em ministrar cursos fazer jornaizinhos e coisas desse tipo?
Nós umbandistas somos muito carentes disso.

Umbanda-Astrologica disse...

Com certeza todos temos que respeitar a opinião dos demais. Tudo é mutavel, adaptavel e cada um tem uma missão e um caminho proprio e diferente ao mesmo tempo.

gabriela disse...

Cada vez textos melhores nesse blog. Eu concordo com o irmão que diz que nós estamos carentes de boas coisas pra ler. Esse blog tem sido a salvação ultimamente.

E esse blog respeita a opinião dos outros. não existe uma verdade sobre umbanda. Na internet a gente vê verdadeiros ataques a quem fala alguma coisa "diferente". Isso é ignorancia, alem de covardia. Mas existem as coisas que fazem valer a pena, como esse blog, do Jordam e do Douglas.

J Godinho disse...

Marcos, talvez se partissímos para este lado, talvez veja bem poderíamos cair numa vala comum de tantos que queiram a auto-promoção, a idéia central com estes texto é provocar o debate e adquirir conhecimento e absolver conhecimento com todos também.
Mas a contibuição de todos vocês tem a máxima importância para construção de uma idéia legal sem ser promocionla vou conversar com o Douglas e desde já agradecemos a visita nos Blogs.

Axé irmãos......

André Mendes disse...

J Godinho acho que voces não tem que ter medo de ousar e nem de ser acusados de querer se autopromover. o important é que estão contribuindo pra constuir uma visão de umbanda que faltava, porque ou era marcada pelo radicalismo ou então então uam visão quase que romantica da umbanda.

Se alguem quiser acusar vcs, não se preocupem que vai ter mais gente se beneficiando do que acusando.

Agora eu posso pedir licença pra convidar vcs pra conhecer meu blog?

www.espiritoemagia.blogspot.com tem uma entrevista muito bacana com a tereza Stein.