quarta-feira, 14 de novembro de 2012

SOU UMBANDISTA, APENAS UMBANDISTA!!! ESTA É A MINHA VERDADE!!! - Por Alexandre Cumino


Não vemos católicos que são judeus, não vemos muçulmanos pentecostais, não vemos budistas jainistas.

No entanto vemos umbandistas que são candomblecistas, umbandistas católicos, umbandistas espíritas, umbandistas evangélicos e etc.

Muito curioso, praticar duas religiões que tenham fundamentos totalmente diversos.

Sou umbandista, apenas umbandista, pois a Umbanda me basta em todos os sentidos e expectativas.

Pertencer a uma religião é ter seus valores como valores de sentido para nossa vida. Viver com valores dissonantes é ter uma vida com caminhos dissonantes. Cada religião tem uma egrégora de energia própria, nem sempre as egrégoras se complementam, muitas vezes se chocam, por conta de seus valores e convicções diversos.

Pertencer a muitas religiões não é como fazer muitos cursos e pendurar seus diplomas na parede, cada religião chama, e algumas exigem, que seu adepto assuma seus valores em um caráter confessional, ou seja confissão de fé, aceitação de que alí está a sua verdade. Fica a pergunta: onde está sua verdade, onde está seu coração?

Pertencer a muitas religiões pode criar uma hipocrisia religiosa, num dia da semana você nega os valores que prega no outro dia da semana.

Multipla pertença religiosa tem sido usado como rótulo para dizer que é mais descolado, mais espiritualizado. O que não corresponde a verdade. O mais espiritualizado é aquele que vai mais fundo dentro de si mesmo para vencer suas dores e dificuldades e logo se torna um bem para todos... por se tornar alguém melhor, mais bacana, mais agradável.

Usamos palavras como humildade, paciência e desprendimento para rotular quem é mais espiritualizado e logo os interessados em ser mais espiritualizados vão forjando uma imagem de si mesmos, forjando uma máscara social de mocinhos e mocinhas da luz... este é o “ego espiritualizado”, uma hipocrisia espiritual.

Ser espiritualizado é ser você mesmo antes de tudo e tomar consciência da vida material, espiritual, mental e emocional tudo junto. Mesmo porque, querer ser espiritual, negando o corpo e a mente é um erro cometido por religiões repressoras que prometiam o céu a quem nega-se tudo que existe no mundo.

Mesmo nos dedicando muito a uma única religião, ainda assim não é fácil ter um aprofundamento da mesma em nossa alma e espírito... o que dirá praticando muitas... Não se consegue ter profundidade em nenhuma, fica sendo algo superficial. Nos enchemos de coisas e elementos externos para tentar tapar um buraco existencial, nossos medos e fraquezas.

Existem muitas religiões porque existem muitas formas diferentes de entrar em contato com o sagrado, com o divino, e cada grupo de pessoas se identifica de uma forma, ou cria uma nova forma de sentir e expressar sua espiritualidade.

A Umbanda por se tratar de uma religião nova, que nasceu no mundo moderno e se desenvolve no mundo pós-moderno e contemporâneo é muito moderna, inovadora, aberta, evolucionista e inclusiva. A Umbanda nos oferece uma quantidade infinita e inesgotável de recursos. A incorporação e o passe mediúnico são apenas dois dos inesgotáveis recursos da religião. O fato é que subestimamos a Umbanda e muitos na primeira dificuldade procura uma outra religião ou o sacerdote de outra religião para lhe orientar e este vai lhe cuidar segundo fundamentos de outra religião. O correto era ter paciência e confiar em seus guias de Umbanda. Se aprofundar e buscar respostas no lugar onde mora a sua verdade. Descobrir que a Umbanda tem fundamentos e recursos que vão se abrindo e se apresentando de acordo com nossas necessidades. Ao longo de muitos anos vários recursos vão se abrindo dentro da religião, muitos mistérios se descortinam, mas primeiro é preciso aprender o básico.

O que é Umbanda?
Qual é a minha religião?
Quais seus fundamentos básicos?
Qual o por quê de cada gesto ritual, de sua liturgia?
Qual é a sua magia, por que tantos elementos?

Dentro da umbanda existe um ambiente mais interno de iniciações na força dos Orixás, existe uma apresentação formal de muitas linhas de trabalho (caboclos, pretos velhos... etc) que se apresentam a quem queira se aprofundar no conhecimento sacerdotal....

Por isso e muito mais estudamos Teologia de Umbanda Sagrada e Sacerdócio de Umbanda Sagrada....

Porque queremos mais, muito mais, da NOSSA RELIGIÃO, da religião de UMBANDA. Queremos muito mas muito mais mesmo que apenas ir ao terreiro uma vez por semana “fazer nossa obrigação” ou “fazer a caridade”. Tudo rotulado, bonitinho, mecanicamente autômato... estamos e continuamos comprando um pedaço do céu agora chamado Aruanda.

Muitos continuam católicos, no inconsciente, continuam espíritas, continuam com velhos paradigmas... e perdem a oportunidade de ir mais fundo na Umbanda, estão presos na margem, na superfície, no raso...

Vamos fundo na Umbanda, com a Umbanda e para a Umbanda...

EU SOU... UMBANDISTA... ALEXANDRE CUMINO

Um comentário:

Amora Dortissimo disse...

Falavamos a pouco tempo sobre isso. Acho triste, mas tambem vejo como parte de um processo de evolução. Em busca de um crescimento espiritual dividimo-nos em duas metades: de um lado nossos modos, nossas ações perante os "os olhos do mundo", de outro, dentro de igrejas somos tementes a um Deus perverso que nos vigia e invade qualquer pensamento profano...sendo assim, melhor sentar com as pernas fechadas, evitar decotes e esperar sair pra falar do cabelo daquela moça que ficou horrivel e de sua bolsa que nao combina com o sapato. Saindo de lá, ativamos novamente a primeira metade. Mas me pergunto quando mesmo é que nos lembramos da linha que une verdadeiramente quem "somos" ao nosso criador? Estou iniciando um caminho na Umbanda. Tenho "tudo" ainda para apredender,mas tenho orgulho da minha religião, da UMBANDA que escolhi e que me escolheu e me acolheu!