domingo, 14 de abril de 2013

Os orixás não abandonaram a África, apenas se espalharam pelo mundo - por Douglas Fersan


Tornou-se comum ouvir daqueles que se esforçam para denegrir a imagem dos cultos afro-brasileiros o argumento de que a África passa por penúrias porque seu povo venera os orixás.  Esses religiosos fanáticos, fundamentalistas e intolerantes não medem esforços (e nem mentiras) para dar aos seu fiéis a impressão de que a África vive uma sub-cultura e que suas crenças estão associadas a poderes malignos e que, por consequência disso, o Deus igualmente intolerante que eles apregoam, castiga o continente com a fome, a guerra, a miséria.

Sobre as más intenções dessas pessoas nem é preciso falar, ela é explícita e qualquer pessoa com o mínimo de inteligência consegue perceber.  Cabe aqui falar sobre a falta de conhecimento político e histórico.  Israel cultua o mesmo Deus desses intolerantes e sofre com a Guerra.  A América Latina é um continente cristão em sua maioria e mesmo assim a fome grassa grande parte da sua população.  Não podemos confundir os erros humanos com a ação divina.  A história é resultado da ação (e das escolhas) dos homens, e não fruto da vingança divina.

Há outros, igualmente intolerantes, que dizem que boa parte dos africanos abandonou a crença nos orixás, e falam isso como se isso fosse sinal de evolução.  Mais uma vez pecam por não conhecer - ou ignorar propositalmente a história.  Esquecem de contar que missionários das mais diversas denominações invadiram o continente e fizeram uma verdadeira lavagem cerebral em seu povo, inserindo a ideia cristã-eurocêntrica de civilização, de salvação da alma e de céu e inferno.  Amedrontados, diversos povos africanos abandonaram suas crenças originais e aderiram a essas religiões.  Vale lembrar que ainda hoje isso acontece e não apenas na África.

Não contam também que os europeus dizimaram povos africanos, levando populações inteiras para servirem seus interesses na América como escravos.  Mas aí cometeram um erro grave na sua tarefa de acabar com as tradições africanas.  Ao invés da crença nos orixás desaparecer, ela se espalhou por outros continentes e vive até hoje.  As religiões de origem afro não estão entre as maiores do mundo, mas estão vivas e com raízes aprofundadas nos povos das regiões onde são praticadas.  As mazelas da África continuam, mas as do resto do mundo também.  Os orixás não abandonaram a África, apenas se espalharam pelo mundo.

Douglas Fersan

Curta a página Lar de Preto Velho no Facebook

Um comentário:

Downloads Divinos disse...

Nossa cara, ta pesquisando no google eu achei seu blog. Faz anos que conheci voce em uma comunidade do Orkut que voce era dono. Me espantei quando vi que voce ainda atualiza esse blog. Parabéns por manter esse trabalho por tantos anos.

E pra comentar sobre o texto. Quem somos nós pra criticar o que os orixá fazem? Eu passei por alguns sofrimentos físicos na vida, e deles eu cresci e aprendi muito mais do que 100 momentos de facilidade. Acredito que um espírito que reencarna na Africa tende a aprovietar muito mais uma existencia do que um ocidental rico por exemplo.
Talvez a Africa seja o maior centro de evolução espiritual do planeta,é uma questão de interpretação. Muitos vão me entender mal, porque pra chegar a essa conclusão não podemos fazer uma análise superficial com olhos obscurecidos ´do corpo físico. Eu não me negaria a reencarnar na Africa, em um páis bem pobre.Tenho certeza que tiraria um bom proveito.

É só uma hipótese. Mas pra mim não restam dúvidas que os orixás cordenam todo o planeta terra, mas isso não posso provar, deixa o pessoal pensando que é Deus.

Abraço e Boa Sorte no trabalho.